23 de jul de 2012

Dados e fatos sobre Violência contra as Mulheres


Agência Patrícia Galvão selecionou alguns números das principais pesquisas sobre violência doméstica: 

Mapa da Violência 2012 - Instituto Sangari (abril de 2012)


De 1980 a 2010, foram assassinadas no país perto de 91 mil mulheres no Brasil, 43,5 mil só na última década. O número de mortes nesses 30 anos passou de 1.353 para 4.297, o que representa um aumento de 217,6% – mais que triplicando – nos quantitativos de mulheres vítimas de assassinato.
De 1996 a 2010 as taxas de assassinatos de mulheres permanecem estabilizadas em torno de 4,5 homicídios para cada 100 mil mulheres. Espírito Santo, com sua taxa de 9,4 homicídios em cada 100 mil mulheres, mais que duplica a média nacional e quase quadruplica a taxa do Piauí, estado que apresenta o menor índice do país.
Entre os homens, só 14,7% dos incidentes aconteceram na residência ou habitação. Já entre as mulheres, essa proporção eleva-se para 40%.
Acesse em pdf o Mapa da Violência 2012 - Homicídio de Mulheres no Brasil 



Seis em cada 10 brasileiros conhecem alguma mulher que foi vítima de violência doméstica- Machismo (46%) e alcoolismo (31%) são apontados como principais fatores que contribuem para a violência. capapesquisaiavonipsos2011- 94% conhecem a Lei Maria da Penha, mas apenas 13% sabem seu conteúdoA maioria das pessoas (60%) pensa que, ao ser denunciado, o agressor vai preso. 
52% acham que juízes e policiais desqualificam o problema. Esses são alguns dos achados da Pesquisa Percepções sobre a Violência Doméstica contra a Mulher no Brasil, realizada pelo Instituto Avon / Ipsos entre 31 de janeiro a 10 de fevereiro de 2011.



91% dos homens dizem  considerar que “bater em mulher é errado em qualquer situação”. - Uma em cada cinco mulheres consideram já ter sofrido alguma vez “algum tipo de violência de parte de algum homem, conhecido ou desconhecido”.
- O parceiro (marido ou namorado) é o responsável por mais 80% dos casos reportados. logo_fpa- Cerca de seis em cada sete mulheres (84%) e homens (85%) já ouviram falar da Lei Maria da Penha e cerca de quatro em cada cinco (78% e 80% respectivamente) têm uma percepção positiva da mesma.
Pesquisa Mulheres Brasileiras nos Espaços Público e Privado foi realizada em 2010 pela Fundação Perseu Abramo em parceria com o SESC. Saiba mais

O medo continua sendo a razão principal (68%) para evitar a denúncia dos agressores. Em 66% dos casos, os responsáveis pelas agressões foram os maridos ou companheiros.
logo_datasenado- 66% das brasileiras acham que a violência doméstica e familiar contra as mulheres aumentou, mas 60% acreditam que a proteção contra este tipo de agressão melhorou após a criação da Lei Maria da Penha (Lei nº 11.340/2006)
Realizado em 2011, o levantamento indica que o conhecimento sobre a Lei Maria da Penha cresceu nos últimos dois anos: 98% disseram já ter ouvido falar na lei, contra 83% em 2009. 
Saiba mais sobre a quarta edição da Pesquisa DataSenado, concluída em fevereiro de 2011.
logo_ligue100_2011


Ligue 180 registra 53% de risco de morte em relatos de violência contra as mulheres
Saiba mais sobre o balanço trimestral da Central de Atendimento à Mulher


Fonte:

13 comentários:

Cozinha de Mulher disse...

Oi Gabriela, muito triste essa realidade.. eu já convivi com uma tia que sofria violência.. era desesperador quando isso acontecia.. éramos todos pequenos e na verdade nem sabíamos o que fazer... só parou quando meus primos cresceram e disseram que se encostasse o dedo de novo na mãe deles ele veria o que eles fariam.. depois disso ela nunca mais apanhou.. hoje minha tia mora com as duas filhas dela que ainda são solteiras.. e graças a Deus não sofre mais... mas foram muitos anos de dor e sofrimento..
É uma pena que existam homens que maltratam as mulheres que estão ao seu lado...

Parabéns pelo post..
Beijo
Sheila

Patrizia Dias disse...

Temos muita coisa a mudar ainda um post excelente.

Maria Eduarda disse...

Esses dados são inadmissíveis precisamos reverter imediatamente.

Jorge disse...

Esses dados são uma lastima a falta de leis que punem mais rigorosamente é hilario.

Felisberto Junior disse...

Olá!Boa tarde!
Tudo bem, Gabriela?
...contra números não há argumentos...
...somente que, NÃO SEI (?) se os Estados criaram os Juizados de Violência Doméstica e Familiar ou as Varas especializadas que oferecem atendimento humanizado às vítimas e tratamento aos agressores...pois como vimos, NÃO SÃO casos isolados ou falta de informação...
Obrigado pelo carinho da visita!
Boa semana!
Beijos

Pr. Ivan Pereira disse...

Boa tarde Gabriela, bela postagem, é lastimável que ainda hoje as mulheres sofre as mais terríveis violências físicas e emocionais.

*Escritora de Artes* disse...

Belo post,

Toda mulher que sofre agressão física, deve denunciar seu agressor.

Abçs

J Araújo disse...

Mesmo com toda a divulgação do mapa da violência contra a mulher, ainda temos os homens covardes que continuam espancando. A lei Maria da Penha, parece que não está resolvendo muita coisa.

Na verdade promulgar leis enquanto não mudar nosso código penal é dar murro em ponta de faca.

Bj

Lamarque Bezerra disse...

gabriela - realmente é assustador essa realidade que nos rodeia. quanta violência, quanta lástima. que pena - lamarque

Rita disse...

Uma vida sem sentido, quantas mulheres sofrem e ficam caladas por medo mesmo
ou até morrem por isso
Que Deus de forças para as pessoas ter uma cabeça com idéias melhores
Isso precisa acabar é muita gente
Abraços
Rita!!!!

Valdenice Freitas disse...

Oi Gabriela! Que nossas autoridades possam fazer a Lei Maria da Penha realmente valer a pena; há muito a se fazer ainda.Sucesso na sua candidatura, bjs!

Tunin disse...

São apenas os covardes e medrosos que agridem as mulheres. Homem macho não faz isso. As leis que aí estão precisam ser cumpridas para que esses meliantes sejam punidos severamente.
Isto nos causa indignação.
Abraços.

Patrizia Dias disse...

É triste demais ainda ver esses dados.