17 de ago de 2012

Carlota Pereira de Queirós Primeira deputada federal do Brasil

Carlota Pereira de Queirós (São Paulo13 de fevereiro de 1892 — São Paulo14 de abril de 1982) foi uma médica,escritorapedagoga e política brasileira. Foi a primeira mulher brasileira ser eleita deputada federal. Ela participou dos trabalhos na Assembléia Nacional Constituinte, entre 1934 e 1935.

Na política, a primeira deputada

Ingressando na política, foi a primeira deputada federal da história do Brasil. Eleita pelo estado de São Paulo em 1934, fez a voz feminina ser ouvida no Congresso Nacional.[1]
Seu mandato foi em defesa da mulher e das crianças, trabalhava por melhorias educacionais que contemplassem melhor tratamento das mulheres. Além disso, publicou uma série de trabalhos em defesa da mulher brasileira.
Ocupou seu cargo até o Golpe de 1937, quando Getúlio Vargas fechou o Congresso.
Segue abaixo o discurso proferido por ela em 13 de março de 1934:
"Além de representante feminina, única nesta Assembléia, sou, como todos os que aqui se encontram, uma brasileira, integrada nos destinos do seu país e identificada para sempre com os seus problemas. (…) Acolhe-nos, sempre, um ambiente amigo. Esta é a impressão que me deixa o convívio desta Casa. Nem um só momento me senti na presença de adversários. Porque nós, mulheres, precisamos ter sempre em mente que foi por decisão dos homens que nos foi concedido o direito de voto. E, se assim nos tratam eles hoje, é porque a mulher brasileira já demonstrou o quanto vale e o que é capaz de fazer pela sua gente. Num momento como este, em que se trata de refazer o arcabouço das nossas leis, era justo, portanto, que ela também fosse chamada a colaborar. (…) Quem observar a evolução da mulher na vida, não deixará por certo de compreender esta conquista, resultante da grande evolução industrial que se operou no mundo e que já repercutiu no nosso país. Não há muitos anos, o lar era a unidade produtora da sociedade. Tudo se fabricava ali: o açúcar, o azeite, a farinha, o pão, o tecido. E, como única operária, a mulher nele imperava, empregando todas as suas atividades. Mas, as condições de vida mudaram. As máquinas, a eletricidade, substituindo o trabalho do homem, deram novo aspecto à vida. As condições financeiras da família exigiram da mulher nova adaptação. Através do funcionalismo e da indústria, ela passou a colaborar na esfera econômica. E, o resultado dessa mudança, foi a necessidade que ela sentiu de uma educação mais completa. As moças passaram a estudar nas mesmas escolas que os rapazes, para obter as mesmas oportunidades na vida. E assim foi que ingressaram nas carreiras liberais. Essa nova situação despertou-lhes o interesse pelas questões políticas e administrativas, pelas questões sociais. O lugar que ocupo neste momento nada mais significa, portanto, do que o fruto dessa evolução."
Teve valiosa participação na Revolução Constitucionalista de 1932 lutando pelos ideais democráticos defendidos por São Paulo.

[editar]Escritora

Foi escritora e historiadora, com as publicações Um Fazendeiro Paulista no século XIX e Vida e Morte de um Capitão.

8 comentários:

Maria Eduarda disse...

Super legal GABI, nossa como é bom sabermos dessas grandes mulheres, nunca tinha ouvido falar dela.

*Escritora de Artes* disse...

Foi uma grande mulher...

Abçs

Patrizia Dias disse...

Que post interessante Gabriela estou aprendendo muito aqui neste espaço.

Kellen Bittencourt disse...

Oii Gabriela, Estou aprendendo um pouquinho de história politica com vc, conheci a primeira votante agora a primeira deputada, muito bom! Bjooosss

Cozinha de Mulher disse...

É tão lindo conhecer histórias de grandes mulheres, que de uma forma linda mudaram os rumos da nossa história...
Se hoje podemos ser essas mulheres que a cada dia conquistam mais espaço nesse mundo, devemos muito a guerreiras que em uma época em que éramos vista apenas como mães e donas de casa ousaram ser mais..

Amei Gabriella
Beijo e um fim de semana mais que lindo pra você..
Sheila

Rita disse...

Maravilha, eu não sabia a história
certa dela, mas que pena que muitas mulheres ainda tem preconceito, de colocar na política mais mulheres
Essa foi mesmo uma batalhadora
Parabéns
Bjuss de bom final de semana!!
Rita!

Bia Hain disse...

Oi, Gabriela. Percebo que você se espelha em grandes mulheres para perseguir seu sonho, o que me faz pensar que está no caminho certo. UM abraço!

silvioafonso disse...

.


Gabriela, a tua beleza
é o remo, a inteligên-
cia o teu leme, mas o
13 pode adernar o seu
barco.
De qualquer forma a in-
teligência e a beleza
vencerão as altas ondas.

Boa-sorte.

Palhaço Poeta






.